domingo, 4 de outubro de 2015

Crise na oferta de crédito imobiliário está próxima (versão 2.0)

Uma crise grave na oferta de financiamento imobiliário está muito próxima. Ou equacionamos de forma definitiva os desequilíbrios fiscais de longo prazo, reduzimos inflação para níveis razoáveis e iniciamos uma profunda reforma financeira, ou dependeremos exclusivamente do financiamento externo para sustentar os investimentos de longo prazo que tanto precisamos. 

Esta é a crise. O que resto é mero ajuste, urgente, porém insuficiente para garantir o crescimento nas próximas décadas. Inflação elevada e desequilíbrio fiscal estrutural nos impedem de aumentar o investimento. Simples. Os petistas desenvolvimentistas heterodoxos não entenderam a gravidade do problema. Não os culpo, pois, como odeiam o capitalismo, desconhecem por completo os mecanismos de intermediação financeira no Brasil e suas limitações.

Caminhamos para uma situação onde não existirão mecanismos domésticos para o financiamento de investimentos de longo prazo tanto para a infraestrutura como para o mercado imobiliário. Só nos restará a alternativa de abandonarmos nossa moeda e adotarmos o dólar como padrão, com todos seus riscos e defeitos se não equacionarmos de forma definitiva ossos desequilíbrios fiscais, monetários e creditícios acumulados ao longo destes últimos anos.

Veja o quadro crítico no link abaixo.


http://ricardogallo.ig.com.br/index.php/2015/10/04/dinheiro-da-poupanca-para-o-credito-imobiliario-pode-acabar/

6 comentários:

  1. Quais seriam as consequências de se adotar dolar como moeda padrão ?

    ResponderExcluir
  2. nao funciona. simples. nao deu certo na argentina, no mexico, aqui.... nao funciona. voce abre mao de ter sua propria politicia monetaria e cambial. e toda sua divida publica passa a ser externa, pois nosso bc nao imprime dolares, vide grecia, espanha, e portugal... veja o horror que deu lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Funcionaria se não houvesse déficits públicos.
      O governo teria que gastar o que arrecada e ter superávit. A inflação e os juros despencariam e o poder de compra do brasileiro subiria.
      Uma mudança como essa não seria da noite pro dia e seria complexo e demorado a substituição da moeda. Mas a longo prazo seria excelente para o país.
      Não funcionou na Argentina e Grécia por causa dos gastos do governo. Com forte redução da máquina e corte de gastos sociais, principalmente das despesas vinculadas, daria dolarizar o país.
      Apesar de eu achar que seria mais fácil adotar o câmbio fixo e ajustar as contas públicas. É necessário reformar com urgência a previdência e colocar limites nos gastos com a máquina. Se não seremos eternos pagadores de juros estratosfericos.

      Excluir
    2. só funciona em países pequenos, extremamente abertos comercialmente ( hong kong e panama, por exemplo). em países grandes e fechados como nosso não funcionaria, pois nosso ciclo econômico não coincide com o dos eua. fed pode querer abaixar juro quando nossa demanda estiver bombando em funcao der uma alta das commodities... ai criar-se-ia uma bolha aqui....

      Excluir
  3. O Brasil abrir mão da política monetária e cambial, é maior maravilha que poderíamos esperar.
    Anônimo, estes assuntos foram tratados pelo instituto mises, veja os artigos sobre Currency Board no site www.mises.org.br
    Inclusive essa história citada pelo Ricardo Gallo foi tratado em um artigo a parte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. esquece... nao funciona. nossa economia nao eh sincrona com os eua.

      Excluir